Sunrays

Blogger Template by ThemeLib.com

A Vingança

Published by Adriana Neumann under on 3:16:00 PM
Aquela era a gota d'água! Era a segunda vez naquela semana que ela não conseguia entrar no banco.

Alguns meses atrás, sofrera um acidente e recebeu pinos e parafusos em algumas partes do seu corpo. Depois disso, era aquele constrangimento: por todo detetor de metais que passava, era barrada e encarada como se meliante fosse. E aquilo estava acontecendo pela segunda vez só naquela semana, sem contar as outras.

Toda vez era a mesma ladainha. A porta de entrada do banco era travada e se iniciava o mesmo diálogo entre ela e o segurança do banco:

- A senhora retirou todos os objetos de metal?

- Sim.

- Procure e veja se faltou algum: moedas, tesouras, serra-fita, metralhadora, machado, guilhotina. Algum objeto dessa natureza?

- Ah sim, encontrei minha faca de destrinchar aves no fundo da bolsa. Serve?

- Pois coloque-a no compartimento ao lado e passe pela porta.

- Pois não.

Piiiiiii (barulho de porta se travando) !!!!!!

- Meu senhor, já tirei tudo. Só se o senhor quiser que eu tire meus pinos e parafusos também.

E apelando para o sentimental, com contornos de novela mexicana:

- Não faça isso com uma pobre deficiente que carrega esse peso em seu corpo e apenas deseja um lugar ao sol! Deixe-me entrar!!!

- Só se a senhora deixar eu olhar sua bolsa.

- Não deixo. Não permito que invadam minha privacidade.

Não tinha jeito, o segurança não cedia de maneira alguma. Então, começava a dança sádica de chama-o-gerente-o-superintendente-e-a-pqp. Ela chegava a sentir até um certo prazer em irritar o segurança e fazê-lo sair do alto de sua posição para chamar o gerente.

Mas, por mais que aquilo tenha sido divertido um dia, agora já estava perdendo a graça. E aquela foi a gota d'água: pela segunda vez naquela semana e décima oitava desde o seu acidente, ela não conseguia entrar no banco. Aquilo não podia ficar assim.

Resolveu se vingar. Saiu da agência resoluta e entrou no sex shop mais próximo. Pediu um consolo, o maior que havia. A vendedora mostrou um de 25 cm, cor-da-pele. Não era suficiente: ela escolheu um do mesmo tamanho, mas verde alface, que brilhava no escuro. Empolgou-se e ainda escolheu um par de algemas, um vibrador de coelhinho, um chicote e uma calcinha de plumas.

À noite, encontrou-se com as amigas, mostrou-lhes seus novos brinquedinhos e contou-lhes seu plano maquiavélico. Elas, que já a consideravam meio excêntrica, acharam que ela endoidou de vez. No entanto, disseram que não perderiam aquela cena por nada desse mundo.

Assim foi que, no dia seguinte, ela se dirigiu à mesma agência bancária do dia anterior, pronta para executar seu plano de vingança.

Piiiiiii (barulho de porta se travando) !!!!!!

- A senhora retirou todos os objetos de metal?

- Sim.

- Procure e veja se faltou algum: moedas, tesouras, serra-fita, metralhadora, machado, guilhotina. Algum objeto dessa natureza?

- Não.

E ainda dando uma última chancer ao seu algoz, com olhar desamparado:

- Por favor, deixe-me entrar!

- Só se a senhora deixar eu olhar sua bolsa.

Essa foi a deixa, tudo o que ela precisava.

- Claro! Por favor, segure aqui...

E entregou ao segurança o tal consolo verde alface que brilha no escuro.

- Se-senhora, não precisa me mostrar mais nada, 'tá bom assim.

- Não, eu faço questão de mostrar TUDO o que há na minha bolsa!

E continuou tirando seus brinquedos da bolsa e os colocando no tal compartimento ao lado da porta, primeiro o vibrador, depois o par de algemas, o chicote e, por fim, a calcinha de plumas.

O segurança não sabia o que fazer. Pensou em chamar a gerência, mas não conseguia sequer se mexer. Uma pequena turba começou a ser formar, velhinhas passavam mal e um pastor da Igreja dos Óleos Ungidos do Sétimo Dia da Nova Profecia, que estava ali para depositar o dízimo da semana, esbravejou, dizendo que era o demônio que ali se manifestava. Ela aproveitou para incorporar a pomba gira e ainda pedir mé e ebó.

Pronto, a confusão estava armada e ela assistia a tudo com um sorrisinho no rosto e a sensação de dever cumprido.

Depois disso, nunca mais foi proibida sua entrada na agência bancária, ainda que ela tenha sempre na bolsa a sua Taurus calibre 38, que passou a usar para defender sua honra que anda, por assim dizer, um tanto maculada.

4 comentários:

Kika disse... @ 4 de agosto de 2009 09:37

Dri, adorei!
Parece assim, digamos, meio auto-biográfico, não? rsss

Beijos

Adriana Neumann disse... @ 4 de agosto de 2009 15:37

Huuummm, digamos q sim! rsrsrsrs

Beijocas

Helen Araújo disse... @ 21 de setembro de 2009 00:16

Cara, muito bom. Eu ri pensando no constrangimento do guarda rs. A história é verídica?

Adriana Neumann disse... @ 21 de setembro de 2009 13:06

Oi Helen

Pois então... todas as minhas histórias são a verdade pintada com cores mais fortes. Então, e-xa-ta-men-te assim não foi, mas chegou perto.

Beijos

Postar um comentário

 

Lipsum

Seguidores